metade

Guardo os sonhos na minha metade mais selvagem, mais barulhenta, mais sem rumo, mais sem fim.

Os sonhos estão-me na metade sem dono. Na metade fugitiva. Na metade só minha. Na metade que é de ninguém.

publicado por Marina Ricardo às 00:27 | link do post | Adicionar aos Favoritos