Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Casaco

por Marina Ricardo, em 25.02.11

Vesti-te.

Levei-te comigo, junto à pele. 

Senti-te comigo. A tua voz no vento. O teu carinho na brisa.

 

Ainda não desisti. Ainda acredito!

Sou talhada de esperança...

 

Fecho os olhos, toco no couro do casaco que era teu, a tua brisa afaga-me o cabelo revolto, e está tudo bem.

 

 

 

Mas não está... 

publicado às 16:19

Finge

por Marina Ricardo, em 21.02.11

Mergulha. Avança pelas águas profundas que é o teu ser.

 

Esconde-te, camufla-te. Só mais um pouco.

Finge ser o que já não és.

 

Mentes. Sorris quando transportas as dores de todos em ti.

És actriz. És poeta. És falsa por necessidade.

Vives expondo a tua sombra. Criaste-a. És Tu.

 

Concha, barreira, muralha, carapaça, pele - fazem parte de ti.

 

Silencias. Emudeces, quando o teu maior desejo é gritar. Gritar até as tuas as forças sucumbirem, até o céu simplesmente notar a tua presença.

 

Crias as mentiras que vais contanto. És pedra dura, que é frágil pena.

És tu. Com márcaras, mas com verdade. Sem sentimentalismos, forte, TU.

Sem arrependimentos. A olhar em frente. Sem lágrimas. Com o coração ferido e em pedaços.

Tu. Eu.

 

publicado às 23:00

Lágrima

por Marina Ricardo, em 18.02.11

Cai levemente. Silenciosa. Aparentemente inofensiva.


Tenta fazer-se confundir com a chuva, com água.


É mostra de sofrimento, dor.

Amaldiçoarmo-la só por existir, mas sentimo-nos gratos por ela nos lavar a alma.


Por isso, vem lenta, quente e dolorosa lágrima, faz-me acreditar que és água, que és nada, faz-me odiar-te, e agradecer-te por me limpares o que de mais profundo há no meu ser.

Vem, queima-me a face, o âmago. Vem, apenas hoje, enquanto a chuva cai e eu não me oiço chorar.

 

 

publicado às 01:27

The House That Built Me

por Marina Ricardo, em 14.02.11

Porque há músicas que nos descrevem. Nos desarmam. Que contam a nossa história. Que põem a nu as nossas fraquezas, os nossos medos.

Porque há lugares que são Nossos, que somos Nós, que nos moldaram, nos Construíram.

Porque feridas foram conseguidas no seu solo, e lá cicatrizaram.

E porque não há melhor sitio para estar: a nossa Casa.

 

 

 

publicado às 23:45

Amor, quando chegares, não partas

por Marina Ricardo, em 13.02.11

Resgata-me. Rouba-me. Possui-me.

Apodera-te do que é meu. Leva tudo o que não me pertence, o que não sou.

Faz-me. Molda-me. Recria-me.

Mostra-me que é possível, que nada está perdido e que juntos conseguimos.

Vem de mão dada com a felicidade. Trá-la presa a ti como parasita, e os três - eu, tu e ela faremos uma simbiose perfeita.

Não tenhas pressa, aprendi lentamente a viver sem ti. Mas te espero. Sei que me encontrarás, a meio do caminho, no meio da confusão.

Serás sol. Serás lua. Nunca nuvem ou tempestade.

Tatua-me me ti. Fica em mim.

 

Por isso, Amor, se és como todos dizem, quando chegares, jamais partas.

 

publicado às 00:49

Fica

por Marina Ricardo, em 12.02.11

Fica.

Até eu deixar de ter medo.

Até eu ser capaz de mentir.

Até eu ser estúpida o suficiente para acreditar que estou pronta para sangrar.


Fica.

Até as nuvens desaparecerem.

Até os fantasmas morrerem.

Até a dor passar, e estarmos prontos para a acolher novamente, como velha amiga.


Fica.

Não permitas que te vençam.

Não aceites que te silenciem.

Não te rendas.


Fica.

Até as tuas forças se dissiparem.

Até o teu coração parar de bater, porque independentemente de tudo, vais Ficar.

 

Ficas porque é imposivel ires.

Ficas porque estáss aqui, guardado a sete chaves, no báu das recordações, que é o meu coração.

 

 

publicado às 02:17

Dor

por Marina Ricardo, em 07.02.11

Pesa-me o coração,

Como chumbo.


Correm-me as lágrimas,

Como rios.


Dói-me a alma,

Como ferida.


Entorpece-me o corpo,

Tal qual doença.


Fere-me o espírito,

Como espinho.


Corrói-me a pele

Como ácido.


Prende-me a respiração,

Como âncora

 


Magoa-me por todo o SER,

Porque é Dor.

 


publicado às 01:01

Voltas, Voltas, e mais Voltas

por Marina Ricardo, em 07.02.11

Andamos em voltas discretas na mesma esfera. Todos em direcções diferentes. Sem vermos nada nem ninguém. Cegos. Surdos. Mudos.

 

Circulamos num vai e vem não identificado, incorrecto, doloroso.

 

Partimos para longe. Andamos continuamente em busca. Buscas infortiferas que nos levam, simplesmente, a parte nenhuma.

 

Fazemos as trajectórias de um pendolo copioso e delimitado.

 

Somos limitados, e limitantes. Somos sofredores por natureza.

Somos viajantes. Somos seres nómadas que têm medos. Que abalam rumo ao desconhecido, por serem demasiados caprichosos para arriscarmem pelo conhecido, pelo que lhes é dado, por quererem sempre mais e mais...

 

Eu,  mais uma vez, parti rumo ao desconhecido.

 

publicado às 00:57

Ruínas

por Marina Ricardo, em 06.02.11

- Que tens feito? - perguntou-lhe a amiga.

- Ahh... - hesitou. O que é que eu tenho feito? – disse para si mesma - Como é possível não me lembrar!! Ó meu Deus! Eu não sei!!

- Oh Vá lá! Conta! - pediu a outra expectante.

- Nada de interessante - mentiu, enquanto a sua face corava.

 

A restante conversa tornou-se um monólogo. Ela apenas queria saber o que era feito da sua vida, a outra apenas falava dos seus psedo-dramas.

 

A verdade é que ela está assoberbada, cansada, preocupada...

Como poderia tomar conta da sua vida, ou melhor preocupar-se com a criação de algo, se a vida dos outros que a rodeavam estava em ruínas?

Não seria prioritário reconstruir as casas à sua volta, a fazer as fundições da sua?

 

Ela acreditava que sim. A sua casa não era importante. Poderia sempre pedir abrigo na casa dos outros, não era?

E enquanto isso, enquanto erguia de novo as casas ao seu redor não teria de se preocupar de novo com a sua.

 

publicado às 00:37

Traz-me de volta quando chegares

por Marina Ricardo, em 05.02.11

Volta.

Pelo caminho que traçamos juntos. Pelo trilho da floresta conhecida do teu coração.


Vem. Vem cessar o rio de lágrimas que criaste em mim.


Volta.

Com um sorriso nos lábios, o mesmo que me ensinaste a esboçar.


Vem. Sabes como e onde me encontrar. Sabes onde estou, mesmo que eu esteja perdida.


Volta. Vem.

Traz as certezas, a Felicidade, traz-me de volta quando chegares.

 

publicado às 01:53

Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Fevereiro 2011

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728

Fotogrfias que vou instagramando




Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.