Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Três anos condensados na minha Caixa de Correio

por Marina Ricardo, em 16.08.12

O certificado acabou de chegar - folha branca, letras pretas, brasão da universidade, confinando em si três maravilhos anos.

Agora é oficial: Sou licênciada. Sou Jornalista.

E que comece a aventura!

 

publicado às 19:07

Meias Verdades

por Marina Ricardo, em 16.08.12

Tudo o que aqui escrevo são meias verdades. São mentiras dos outros que adotei como verdades minhas. São a forma como perceciono o que me rodeia, o que me fere e o que me abraça, o que me dão, o que me tiram e o que eu vou buscar de volta.

Nada do que aqui se passa é absoluto ou fidedigno. Porque, bem no fundo, o ele que conhecem nem sempre é feio, assim como eu que leem nem sempre é bonito. E, nem sempre estou tão resolvida quanto a ele quanto gostaria – dependências são assim.

Ele, ao seguir em frente, nem sempre teve as portas abertas. Também levou pancadas e caiu, arranhando os joelhos e rasgando as calças novas que tanto tinha trabalhado para comprar. Assim como eu também fui obrigada a fazer voo rasteiro e raspei a cabeça pelo solo, sangrando e perdendo alguns dos meus fios de cabelo cor de ouro.

A diferença entre nós, nestes tempos difusos, são simples – eu limpei-lhe as ferias e fiz das tripas coração para o ajudar mesmo estando a quilómetros de distância e ele nem faz ideia de que me magoei. Viu  as manchas vermelhas no passeio, mas não percebeu que o sangue me pertencia.

No fundo, somos agora o que o destino nos tornou – dois estranhos, com duas vidas.

O que difere, é o facto de ele ter seguido em  frente, mudado de ares e ganhando novos amores para a agenda e agora par o coração e eu – parva!, alimentei fantasmas por demasiado tempo.

Dizem que a disponibilidade para amar é um estado de espirito. E, embora a minha mete esteja pronta há anos, o meu coração ressente-se e não aceita hospedar um novo dono.

Talvez eu seja como as personagens dos livros que tanto leio. Talvez me cure quando chegar o momento, quando alguém chegar, quando a vida quiser e eu deixar. E aí, aí, será para sempre. Sem dúvidas, dores ou ressentimentos, até que morte nos separe e depois dela.

 

publicado às 02:47


Mais sobre mim

foto do autor



Fotografias que vou instagramando




Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.