Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




*suspiro | spam*

por Marina Ricardo, em 05.11.12

Tags:

publicado às 23:07

Verdades #53

por Marina Ricardo, em 05.11.12

Talvez eu não vá passar daqueles Clichés baratos de quem se cansa de ser possuidor de uma capa de esperança tão pesada.

Aquele tipo de pessoa que se lamenta do seu peso exagerado ao mesmo tempo se aconchega, se cobre e sob ela deseja desaparecer.

 

 

publicado às 15:47

Total e irrevogavelmente amargurado

por Marina Ricardo, em 05.11.12

Todos por aqui sabem sou jornalista por vocação e paixão. Costumo dizer que, mesmo quando me sentia confusa, sempre soube o que na realidade queria fazer. Porque, sejamos francos, para além de juntar umas letras e escrever umas coisas, não sei fazer muito mais.

Nos dias bons, gosto de pensar que tenho talento. Porém, mesmo que não o tenha, sou apaixonada pelas letras, pela rádio, pela comunicação e pelas pessoas em geral, logo com esforço sempre levo o caso a bom porto.

Hoje, à hora de jantar estive a ver a reportagem da SIC, sobre professores desempregados. E, com toda a sinceridade, tive imensa vontade de chorar.  Senti-me próxima - tão próxima das suas frustrações, o mesmo atar de mãos e pés, a mesma dor, os mesmos sonhos caídos por terra...

Só gostaríamos de fazer aquilo que gostamos - o que, ao fim e ao cabo, faz de nós quem somos, o que nos enche as medidas e o coração. Será pedir muito?

No fim da reportagem, perguntei ao meu pai, em tom de mágoa, se os políticos não saiam à rua. Se não andavam a pé, entre o povo, e não iam ao pão ou levar  os filhos à escola. Tinha esperança que eles vissem a falta de esperança nos rostos daqueles a quem é negada a forma de subsistir. O meu progenitor, aquele que sempre me protege, respondeu-me no mesmo tom que tinha usado: “Não me parece que  o façam. Têm empregados para isso”.

Anui em silêncio. Talvez esta seja a resposta: não nos sabemos pôr na pele uns dos outros. Não sabemos compreender aqueles que estão, teoricamente, abaixo de nós. E, quando nos alcançam, fazemos tudo para eles descerem do nosso degrau, e voltarem ao chão, voltarem à mágoa. E assim, anda Portugal por estes dias, no chão, total e irrevogavelmente amargurado.

 

publicado às 02:47


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Novembro 2012

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930

Fotografias que vou instagramando




Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.