Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Nas negras e nas iluminadas

por Marina Ricardo, em 08.04.13

Costuma dizer-se que todos têm um lado negro. Eu acho que sou um buraco negro com fendas de luz brilhante ao centro. Não é mais difícil viver assim – é exatamente o mesmo fenómeno de inspira, expira, mas apenas o fazemos cientes de que há em nós tudo o que nos pode matar e renascer – assim, em minutos.

Há tanto em mim debaixo de uma rocha de memórias, pequenas fendas de luz por cima de pedras a caminho do coração, ou no esófago, ou nos pulmões. Tanto chá quente de limão como ácido nas feridas, tanto preto quanto cinzento, tanto branco como pérola.

Muitos são os dias em que me finjo luminosa quando em mim o negro impera, porém aprendi a controla-los da mesma forma que travo a língua em momentos de maior stress.

Acho que, ao fim de alguns anos, comecei a conhecer-me totalmente – sem reservas, sem paredes, assim, nua e crua, fria e incandescente. Assim, negra e branca, vermelha e azul, sangue sob pele, pele sobre osso.

Não que agora tenha menos medo – tenho mais, muitos mais, espalhados pela face, nas pálpebras, debaixo delas, apenas perdi o medo de me magoar. Se cair, caí, já estive tanto tempo caída… se doer, há-de passar. E, posso não saber como parar, mas sei sempre como seguir em frente. Não há mão que apague a infelicidade, ou amor que floresça sempre, e não há mal algum em caminhar sozinho de quando em vez. Tudo são fases e aprendizagens nossas e dos outros em nós – e há sempre sol nos outros quando o nosso adormece.

Costuma-se dizer que todos têm um lado negro, eu digo que tenho um lado brilhante. E, no fim de contas, devia mudar o nome para esperança porque sei que ela, mesmo que eu ache que a perdi, ela circula-me nas veias – nas negras e nas iluminadas.

 

publicado às 14:07

Crazy, Stupid: Love

por Marina Ricardo, em 08.04.13

“What are you supposed to do with all the love you have for somebody if that person is no longer there? What happens to all that leftover love? Do you suppress it? Do you ignore it? Are you supposed to give it to someone else?”

Maggie O’Farrell

publicado às 01:47


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Abril 2013

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930

Fotografias que vou instagramando




Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.