Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Jornalista de Supermercado #Os pais dos cartões

por Marina Ricardo, em 02.03.14

Supermercado que se prese tem um cartão cliente. Um daqueles pedaços retangulares de plástico fininho onde, dentro há moedas e notas - uma coisa maluca onde se junta dinheiro para se gastar em compras.

A coisa é gira e útil - quem não gosta de ir comprar um carro cheio e levar no bolso um cartão com descontos? Ou melhor não pagar nada pelas compras porque se descontou o dinheiro do cartão?

Tudo isto é giro (e saudável!) até ao dia em que sãos de pensamento, temos em mente que um cartão é apenas um cartão e que essa coisa dos descontos é relativa e que o que vem, vai.

Porém o caso muda de figura quando começamos a tratar o cartão como um filho. Quando aquele pedaço de plástico gasto e brilhante tem uma importância fulcral no nosso dia-a-dia e pensamento consumista.

"Posso passar o seu cartão" perguntam na caixa. E nós, pais atentos, olhamos a funcionário de alto a baixo e pensamos "Ela quer roubar-me. Tem ar de raptora de crianças. Ela quer o meu cartão".

Na maior parte das vezes a funcionária(o) quer só mesmo passar o cartão na maquineta para acumular mais descontos - nunca se ouviram casos de funcionários de supermercado correrem superfície comercial afora com um cartão recheado de dinheiro alheio em punho. E, que se saiba, ainda não há fraudes no que a cartões cliente dizem respeito.

Mas, cliente que é cliente desconfia. E não passa o cartão para a mão de qualquer um. Segue o caminho do cartão pelo scanner com a mão, tenta apanha-lo antes que alguém pense sequer em lho tirar, guarda-o na carteira, ou na algibeira, assim pertinho do coração. 

Não se confia o filho assim, a qualquer larápio. Quanto menos um cartão de descontos.

 

 

publicado às 23:07

estrada

por Marina Ricardo, em 02.03.14

Há uma longa estrada, um longo horizonte, que se opõe entre nós. O eu e tu. Os dois eus que sou. O Eu que me tornei e o que serei. Aí. Ou ali. Ou talvez, mais além, acolá.

Um horizonte, Vários dias, horas e horas de incertezas e sois da vida.

Uma estrada. É tudo o que nos separa. Uma estrada que nunca será apenas uma estrada.

publicado às 01:00


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Março 2014

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031

Fotografias que vou instagramando




Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.