calma

Queria a calma de quem sabe que chega. Que está a chegar. Ser como aquelas pessoas que saem calmamente do comboio às sextas.

Queria não andar sempre a correr, ou com a pressa de chegar não sei a onde. Queria a calma de quem sabe para onde vai e está feliz com o destino.

Queria respirar mais vezes fundo em vez de me faltar o ar sempre que acelero o passo. Talvez se dissesse menos asneiras em voz baixa os pulmões fossem mais generosos.

Queria fazer uma coisa de cada vez em vez de me acha capaz de fazer o mundo em meia hora. Queria que me deixassem falar. Rebentar. Odio, dores e ideias.

Queria parar de querer. E ter. Ter a calma de quem sabe para onde vai.

publicado por Marina Ricardo às 22:00 | link do post | comentar | Adicionar aos Favoritos