barco

Não me faças ser. Não sejas como os outros que me exigem mais do que tenho. Que me querem toda a paciência que possuo.
Não me faças perguntas, nem esperes que mude alguma coisa.
Assim me tens, se assim me quiseres.
Vou ser sempre isto: uma mistura de águas turvas e ventos que não amainam.
Só precisas de ser embarcação suficiente para me navegar.

publicado por Marina Ricardo às 18:42 | link do post | comentar | Adicionar aos Favoritos (1)