Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Natal

por Marina Ricardo, em 07.12.13

Não há melhor época do que esta. Não há. Tudo fica mais bonito, mais mágico, com mais cor e definitivamente com mais luz (e se há coisa que sou é apaixonada por luzes).

Amo o Natal como não amo outra época (ok, também gosto dos meus amos e das férias, quando tenho férias). Amo as árvores, os homens magrinhos, cheios de almofadas na barriga e barbas falsas a fazerem-se passar pelo Pai Natal, amo comprar presentes, amo o cheiro e o espirito deste tempo.

Sempre gostei – e isso nunca teve a ver com os presentes.

Compreendo que haja pessoas que não gostem do Natal, da mesma forma que espero sempre que me compreendam quando digo que odeio o Carnaval. Mas, no fim de contas, ninguém percebe porque não gosto do Carnaval (nem eu meus caros, nem eu) e não percebo patavina de quem não gosta do Natal.

Suponho, ou tento supor, que não gostar do Natal tem sempre a ver com o significado de família de cada um, ou, as memorias de um tempo passado mais frio que o inverno – esses inverno da memória.

Eu, porém, sempre que penso em Natal penso em coisas boas, sinto coisas boas. Lembro-me de ser criança (há alguma coisa melhor do que isso?), do cheiro a canela e a broa, a bacalhau a ser servido em travessas, da lareira, do calor, e, acima de tudo, do amor que se sente no ar. Penso em luvas e pão-de-ló, em rabanadas e aletria, em sorrisos de surpresa, em postais e azevinho.

Gosto, ainda hoje, de me sentar no chão da sala, coladinha à árvore, de luzes apagadas a ver aquele pisca-pisca de cores rápidas e frenéticas. Gosto de esvaziar a mente e ficar ali absorvida por tudo e por nada. É como ficar perdido, sem ficar, ou encontrar-se sem procurar.

Um dia destes, sentada nesse mundo mágico e pequenino, peguei no solitário presente que vive paredes meias com o presépio e abanei-o na esperança de perceber a quem se destinava. Algures vindo do outro lado da casa, ouvi a minha mãe rir-se e chamar-me criança. Diz ela que ainda não cresci ou então volto sempre atrás no tempo, neste tempo. Tem razão – deve ser por isso que o Natal ainda me é assim tão especial (e que seja assim para sempre - criança).

 

Tambem disponiível aqui

publicado às 20:00


1 comentário

Imagem de perfil

De Carolinaa a 07.12.2013 às 22:35

Tudo aqui dito poderia ter sido eu a escrever. Tal e qual... Quando todos me dizem que não lembra o Natal, que não se sente aquele cheiro a Natal sou a primeira a discordar. Natal será sempre a melhor época do ano. <3

Beijinho grande, pequena. <33*

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Dezembro 2013

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Fotogrfias que vou instagramando




Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.