Carta de amor à minha alma.

Amor, andei até aqui. Às vezes vim a correr de entusiamo por tanto me querer acercar de ti, outras paralisaram-me os pés por que me esqueci por que vinha.

Parou-me o corpo, muitas vezes, mas, o amor seguiu sempre apressado de por isso vim sempre andando.

Nunca deixes de me esperar. Vou a voar para o teu regaço, mal a cabeça me sai das nuvens e os pés do chumbo que às vezes lá floresce.

Não chores. Guarda as lágrimas para nos chorarmos quando nos tivermos nos braços.

Amor, a minha cabeça perdeu-se por outras ruas. Mas, o meu coração sempre soube o caminho. Daqui a nada volto a casa.

Vou chegar atrasada. Não me esperes para o jantar. Espera-me para viver.

publicado por Marina Ricardo às 22:11 | link do post | comentar | Adicionar aos Favoritos (3)