Colo virtual

Foi a Vera que escreveu, mas devia ter sido eu (mania de querer amar primeiro que eu!).

Foi a Vera que escreveu, mas, li-o como se fosse eu a escrever. Porque os sentimentos quando se partilham são assim: emaranhados, a meias.

Penso muito na Vera. Em como as nossas vidas malucas se complementam. Em como quase morri no dia em que ela casou. Em como partilhamos profissões loucas em áreas semelhantes. 

Gosto de me lamentar com a Vera. Ela lê-me e dá-me colo. Colo enquanto tenho um dia horrível no trabalho, quando lhe confesso que não sou assim tão forte como me finjo.

Ela diz-me sempre que sou capaz. Que consigo. E tem razão: tenho conseguido mesmo.

Escrever-me neste blog, nos últimos meses, tem sido a maior e mais difícil empreitada a que me comprometi.

Mas, faço o que sempre tenho feito. Uma letra a seguir à outra. Por mim.  Por ela. Por vocês.

Obrigada Vera. Obrigado por seres, tantas vezes, a voz solitária, e por escrito, da minha claque de apoio.

Obrigado a todos vocês, desse lado do ecrã.

tags: ,
publicado por Marina Ricardo às 23:40 | link do post | Adicionar aos Favoritos (2)