Estéril

Escrever era orgânico. Fácil. Como respirar.

Tão natural como pensar. Ou andar. Indolor. 

Falava por letras. Sonhava por palavras.

 

Há meses que me secaram as letras. Que não me brotam palavras pelos dedos. Ou pelos olhos. Sinto-me estéril de mim. Da minha essência. Das minhas frases. De mim.

publicado por Marina Ricardo às 19:00 | link do post | comentar | Adicionar aos Favoritos (1)