Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Peito

por Marina Ricardo, em 30.01.13

Apareces-me em sonhos sob essa capa negra. Entras assim de mansinho, abres essas portas e janelas minhas e instalas-te no salão principal.

Agarras meu coração morto, com essas mãos sujas desse sangue que me pertence, desse que por ti chorei.

Surges assim sob esse manto de nuvens trazendo teu nome ao peito, peito esse que levas quando acordo, quando vivo e te amo.


publicado às 00:47

Ou se me esqueceste.

por Marina Ricardo, em 25.01.13

Gostava de saber como foi o dia em que me esqueceste.

Ou se me esqueceste.

Queria saber como tomaste a decisão de me apagar da memória.

Ou se me esqueceste.

Porque o não saber apoquenta-me a alma. Estas sombras de ti, estas lembranças fantasiosas desse nós que um dia prometemos um ao outro, esse nós de ambos deixamos morrer e nunca procuramos ressuscitar.

Essas tuas palavras vãs, esses meus textos patéticos e dissimulados. Oh inocências que ainda hoje que tiram o sono e me roubam o futuro.

Só queria saber se pensas em mim. Ou se me esqueceste.

 

Tags:

publicado às 01:17

E, na mesma semana que oficializa a nova relação, decide que me quer ver, que quer falar comigo e saber novidades... Um ano depois de nos termos cruzado pela última vez...

O mundo perdeu equilíbrio, só pode...!

publicado às 22:27

Hoje falaste-me...

por Marina Ricardo, em 27.07.12


(Primeiras palavras, um anos depois...

Semana estranha. TODA ela...)

publicado às 02:37

Por detrás do vidro que nos separa

por Marina Ricardo, em 02.07.12

Vejo-te por entre uma espessa parede de vidro, fria, fusca, alta e interponível.

Não te oiço e não me olhas. Penso que assim o decidiste no momento que seguimos caminhos sem retorno um para o outro.

Mantivemo-nos no compasso descompassado das horas que não passamos juntos. E não mais nos sentimos.

Observo-te sem te ver. Pensas-me sem me saber.

Em sonho te mato e te renasço, em ti fico e de ti parto. Sempre aqui, em linha com este vidro que não acaba nem começa onde eu inicio e tu tens fim.

E tu, a ti te vejo na procura incessante do que tens sem saber por detrás do vidro que nos separa: quem te esqueceu, te perde e te vai asfixiando por não mais te respirar aqui, neste espaço onde jamais entras e quem te espera, quem mesmo sem querer e sem saber te vai esperando e te vê de olhos fechados…

 

publicado às 00:27

Verdades #36

por Marina Ricardo, em 24.06.12

Até em sonhos me mentes.

E como eu odeava que me mentisses. E o quanto eu odeio sonhar contigo.

 

publicado às 21:47

Cá de Dentro #10

por Marina Ricardo, em 08.06.12

E é agora quando te lembras de mim que me esqueci de ti.

 

publicado às 01:07

Às Vezes não é Sempre

por Marina Ricardo, em 26.04.12

Às vezes ainda me pergunto porque desististe.

Foi necessidade? Preguiça? Ou vontade própria?

Não me digas que foi a vida. A vida, essa que é minha, foi mais madrasta e não foi por isso que te perdi.

Não sabias? Sei que não. Nunca perguntas-te.

Foi por ela? Pela outra? Por necessidade? Ou teve de ser?

Às vezes ainda me pergunto porque esqueceste.

Às vezes gostava que me explicasse porque tinha de ser eu a propagar-te – sempre, enquanto tu me esquecias.

Às vezes ainda gosto de ser tua amiga. Mas, depois lembro que me perdeste na tua confusão, no teu desperdício de espaço, no teu pecado. E para teu mal.

Mas, às vezes, não é sempre, pois não?

 

publicado às 23:47

Do outro lado do mundo

por Marina Ricardo, em 18.04.12

Talvez, nos dias de chuva, te sintas tão perdido quanto eu.

E me imagines, aí ao teu lado, pintada a cores alegres.

Talvez, por entre a confusão dos dias, me vejas como nunca me viste: tua.

Porque mesmo presentes, nunca vivemos o mesmo mundo, a mesma realidade.

Por isso, espero, que talvez, a meio do caminho me vejas a acenar.

Me vejas, e te lembres, que do outro lado do mesmo mundo, eu te sorri e me despedi do que nunca tivemos.

 

publicado às 20:17

Nada, Frio e Abismo.

por Marina Ricardo, em 01.04.12

Não quero mais falar sobre ti.

Não quero gastar as minhas palavras já ditas, para de ti falar.

Não te quero em mim, não quero nada de teu. Nada do nós que se perdeu.

Não quero proximidade. Não quero distância. Não quero nada.

Porque no fundo, sempre estivemos demasiado longe, mesmo estando lado a lado. Sempre estivemos em mundos paralelos.

Porque, na verdade, sempre foi assim: nada, frio e abismo.

Sempre foi, e ainda é.

 

publicado às 02:17


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Abril 2021

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930

Fotografias que vou instagramando




Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Posts mais comentados


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.