Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



azar

por Marina Ricardo, em 15.10.21

Trago um frasco de lágrimas por chorar debaixo do braço. Trago também, ao peito, os amores que deixei morrer, mas, não soube largar.
Trago tudo o que não engulo, nem mastigo, ao colo na esperança de o digerir sem lhe sentir o sabor amargo na boca.
Trago-te no coração, não dentro, á porta. Sei que o nosso amor já defenhou, mas só te hei-de carpir no dia, em que, por azar, deixar cair o pote e tiver que seguir de braços vazios e olhos molhados.

publicado às 02:41

Batismo

por Marina Ricardo, em 30.09.21

Sacudo os pés à entrada. Pouso a chave de casa na mesinha agora poeirenta. Ponho o coração no bolso. Fecho os olhos ao de leve, enquanto respiro fundo. É mais fácil assim.
As tuas malas estão atrás da porta. A tua presença debaixo do tapete. O teu nome dança com as partículas de pó que sacudi da sola dos sapatos novos.
A casa está vazia. O silêncio grita.
O meu coração, agora guardado, agita-se na algibeira.
Podia dizer que me chamo saudade. Mas, a verdade é que me batizaram, em segredo, solidão.

publicado às 22:52

A cidade ainda dorme

por Marina Ricardo, em 10.08.21

A cidade ainda dorme. Tudo parece mais fácil assim, estático. Quieto como numa pintura.
O café está morno. O tempo também.
De mãos geladas agarro com demasiada força a chávena quase fria - como eu.
Imagino-te. Não me pareces acordado. Nunca foste muito de manhãs.
Os teus movimentos serão tão automáticos como os meus? Não devem ser.
As olheiras cheias de sonhos por dormir adornam-me a face lavada de lágrimas que não te chorei - ainda.
Neste filme que protagonizo sozinha, amo-te sempre sem sabermos - os dois.

publicado às 01:18

apaixonada

por Marina Ricardo, em 23.07.21

E aqui sigo, sozinha, embalada na música que podia ter sido nossa, apaixonada pela história de amor que não tivemos.

publicado às 23:22

Cinema de domingo à tarde

por Marina Ricardo, em 21.07.21

Continuo a espera do nosso momento de filme.
Trocas de olhares envergonhados. Eu baixo os olhos, tu sorris. Eu deixo cair aquela pilha de papéis, tu apareces, milagre!, ajudas-me, e as nossas mãos tocam-se.
Em que nos cruzamos no café e casualmente te sentas na minha mesa. Em que, conversa puxa conversa, acordamos que a vida que se passou entre nós não significa nada. Que o facto de, agora, não nos conhecermos não faz diferença nenhuma. Em que está tudo bem.
Continuo a fantasiar com esse final épico de comédia romântica de domingo a tarde.
Mas, na verdade, nenhum de nós está assim tão interessado, nem vivemos na fox life...

publicado às 19:59

Marte

por Marina Ricardo, em 09.07.21

Entramos em período retrogrado antes de alinharmos os astros.

publicado às 23:27

Não vale a pena, deixa estar

por Marina Ricardo, em 12.06.21

Não me olhes plana. Tenho muito mais vales e montanhas do que aqueles terrenos acidentados que pensas ter visto.
Não me tomes por aquilo que sentes, muito menos pelo que julgas ver.
Não me dês adjetivos, nem me contes por palavras que não me saíram da boca.
Não me tracei com linhas suaves, ou palavras feitas.
Não fui feita para ser subtil, nem para me escrever pelas letras dos outros, nem tão pouco para caber nos teus moldes apertados.

publicado às 20:07

amiúde

por Marina Ricardo, em 28.05.21

Aproveito o vazio das noites, o silêncio de quem dorme.
Postro-me, quase sempre, numa cadeira qualquer e deixo-me consumir por todas as intempéries que fecho, a sete chaves, em baús e caixas negras que trago amiúde debaixo do braço.
Dreno-me assim de toda a vida que fingo viver leve, levemente. Pego as dores ao colo, embalo-as devagarinho, quais crianças frágeis. Passo assim as madrugadas: voz embargada, alma perdida, medo no regaço. Quando o dia amanhece, adormeço e nasço para um novo dia. Com tudo. Sempre sem nada.

publicado às 01:25

Finitos Infinitos

por Marina Ricardo, em 27.05.21

Quero sempre tantos infinitos, para uma vida tão finita.

 

publicado às 01:27

Amigos, amigos, corações à parte.

por Marina Ricardo, em 10.05.21

Sentei-me e pousei o coração em cima da mesa. Há conversas que só podemos ter assim: corações à parte.

publicado às 14:21


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Outubro 2021

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Fotografias que vou instagramando




Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Posts mais comentados


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.