Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



equilíbrio

por Marina Ricardo, em 03.01.17

Este ano não escrevi resoluções, nem fiz grandes promessas. Percebi o ano passado que com a loucura que é o meu dia-a-dia, não posso prometer grandes coisas.

Pedi, e relembro-me a cada hora que passa, equilíbrio. Porque sei que se conseguir chegar ai o ponto em que consigo estabelecer prioridades criar limites consigo resistir.

Depois disso, é deixar ir...

publicado às 20:27

vida

por Marina Ricardo, em 13.12.16

Não penso muito nas desventuras. Arrumo-as a um canto. Dispersas, mas próximas. Suficientemente próximas para, um dia, me puder sentar a um canto, segura-las, e pensa-las.

Ainda não pensei no acidente. Segui em frente. Ainda não pensei na crise alérgica.

Um dia, vou sentar-me, e escrever sobre 2016. Nesse dia pego nelas. Nesse dia penso que este ano já quase me matou duas vezes. E penso na calma que me rodeia quando a morte chega.

Falta pouco 2016. Não te vou deixar terminar-me.

publicado às 23:07

olho de peixe

por Marina Ricardo, em 12.12.16

15306596_658853320942228_5864602865720360960_n.jpg

publicado às 23:00

Rais'partam

por Marina Ricardo, em 11.12.16

Acabei de sair do hospital, 8 horas depois de ter dado entrada com uma crise alérgica severa.

 

Estava no trabalho, calma e serena, quando me começaram a inchar as vias respiratórias e a língua.

Os meus colegas de trabalho, sangue frio, chamaram a ambulância, convencidos de que eu estava a ter um ataque qualquer.

No decurso da viagem, fiquei com a visão turva, a pele toda empolada, cara, testa e pescoço inchados e vermelhos.

Quando fui atendida já mal respirava (e fui logo atendida!)...

Tive de tomar medicação duas vezes (adrenalina) porque os efeitos teimavam em não abandonar o meu corpo.

Estou exausta... Tão, mas tão cansada...

publicado às 22:37

o carro

por Marina Ricardo, em 04.12.16

Não ter morrido no acidente foi sorte. Aliada á sorte, tive outra sorte: o facto de conduzir um carro de 1992. Osso duro de roer até para os railes de segurança.

Depois daquele dia, ficamos em dilema: arranjar ou não o carro. Precisava de peças – muitas. Precisava de uma frente nova. Precisávamos que alguém, com igual sorte à minha,  que fosse mais desapegado e mandasse a sua viatura para a sucata para que pudéssemos salvar o nosso.

Esperamos. Comecei a conduzir outro carro. Sempre com peso. Sempre com remorso. Matas-te um e agora andas com outro como se nada fosse.

Sempre disse que queria o meu carro. Mas, sempre me afastei da decisão final: estava demasiado envolvida para ter uma opinião isenta.

O carro chegou quinta-feira.

Quando o vi, novo, brilhante, sem aquele ar desgraçado com que o vi pela última vez.

Hoje conduzi-o pela primeira vez. Primeiro muito devagar. Depois com a confiança de quem já partilhou muitos segredos estrada a fora, madrugada a dentro.

No rádio, quase sempre na Renascença, rezava-se a missa. Posso ter uma fé muito fraquinha, mas há momentos em que todo o universo conspira e congemina para momentos perfeitos. Já vivi uns quantos.

Tags:

publicado às 23:27

limonada

por Marina Ricardo, em 26.10.16

Os vinte e quatro acabaram com muito trabalho e comigo atrasada para a mim própria festa de anos (ok, não era uma festa, mas eu ás 19h, ainda nem sequer bolo tinha).

Houve presentes bons. E palavras que aqueceram.

Fiz bolo de limão. Porque quando a vida me der limões quero fazer sempre limonada.

(E, fiz lemon curd mas isso é só porque sou chic).

 

Obrigada a TODOS pelas palavras doces. Tenho precisado muito delas!

1.png

publicado às 22:20

25

por Marina Ricardo, em 25.10.16

Aos 24 andei de avião. Vi o mundo e vi o fim dele. Trabalhei num talho, numa peixaria e numa padaria. E, assumi um compromisso com um trabalho que ainda não sei se gosto.

Comprometi a escrita, mas também escrevi muito. E calei as letras porque caladas doem sempre menos.

Li pouco e trabalhei horas a mais. Ouvi boa música, viajei, fiz uma road trip e fiz decisões difíceis. Levei a irmã a casa, quando a tirei de casa.

Hoje faço vinte e cinco anos. Por extenso. Porque quantas mais letras melhor.

Hoje faço vinte e cinco anos. Mas, também faço dois meses e cinco dias. E, nunca tinha percebido o quão bom é estar vivo.

publicado às 00:00

Dois meses

por Marina Ricardo, em 20.10.16

19850219_9zGWu.jpeg

 

* 

Tags:

publicado às 22:40

karma

por Marina Ricardo, em 05.09.16

Voltei ao trabalho. Voltei a passar, sozinha, ao local do acidente. Quando lá passei, quis o Karma que a música, a mesma soasse. Aumentei o volume. 

Tags:

publicado às 22:57

A minha unha lascada comprova

por Marina Ricardo, em 02.09.16

IMG_20160901_193132.jpg

publicado às 20:57


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Janeiro 2021

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Fotogrfias que vou instagramando




Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Posts mais comentados


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.